quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Satisfação

Queridos leitores deste humilde blog,
Gostaria de informa-los que este abandono é temporário. Estou em um período super conturbado, de muitas mudanças(e por isso eu realmente não estou conseguindo atualizar aqui, apesar de não faltarem idéias e coisas legais para mostrar para vocês. Desculpem aos que gostam do meu blábláblá, no final do ano prometo que serão devidamente recompensados. :)
Beijos,
Gabi

Ah, aproveito para deixar um videozinho meu. Foi gravado num celular, numa sala que reverbera horrores, mas espero que gostem.


terça-feira, 3 de novembro de 2009

Badalados Inglórios

Reprodução da postagem do Bêbado Gonzo. Aos amiguinhos adeptos ao mundo da ecstasy dos sinos da Basílica de Nossa Senhora de Nazaré, me desculpem, mas não pude resistir! huahuahuauhahua










terça-feira, 20 de outubro de 2009

Onze dias

Uma bola rolava no chão quando o grito ecoou numa sala distante e para a criança que brincava tudo era música que não se compreendia. Na sala, a calmaria distante do aconchego acalenta o sono de uma fita de cores ainda não refletida, amarrada em passos tão curtos que separam uma vida inteira e se esticam na ironia da gargalhada asmática nas escadas.
E para cima todo passo cansa e todo o tempo urge, e assim que tudo correu num piscar que inevitavelmente derrete o sorvete mas não traz o choro.
Lá longe tudo era mais próximo, e diante da multidão quatro dividiam-se em dois movimentos ao observar de cima a dança do caminhar da noite, as muitas voltas que o mundo insiste em dar para um céu tão claro de uma manhã azul, o céu que se move arredio ao farfalhar da rabiola que se perde pelo mar que molha os pés alvos e estreitos sentados na praia.
De lá, uma pedra rolou e a outra ficou, e o tempo corroeu as duas com o vento e movimento. E nos toques de trombetas que ecoaram então são descritos os onze dias que foram e passaram para chegar.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Fim do show

Atrás do palco as luzes se apagam. Os olhos ofuscados adaptam-se novamente aos reflexos da vida que passam lentamente projetados na cortina fechada.
Atrás do palco o sorriso se perde no eco das gargalhadas abafadas da multidão que se dissipa sem importar-se com quem fica.
Atrás do palco toda a graça se perde, e cada gesto delicado transforma-se lentamente num real lampejo da brutalidade dos movimentos.
Atrás do palco toda lágrima seca, e lá não há gentilezas que façam valer a pena todo o caminho de um ombro de consolo.
Atrás do palco todas as personagens morrem e suas lutas e aspirações escorrem pelo ralo das águas descartáveis da incredulidade.
Atrás do palco os ombros caem e toda a dúvida cresce no compasso dos passos amargurados dos sem destino, sem porto seguro.
Atrás do palco a cabeça se abaixa por não ter o que encarar no vazio do silêncio escuro.

Toma-lhe-te!

"Chuck Norris" belga "muquia" comediante em pegadinha!


Outubro

Era dia de achar mais nada, de ver que não tinha passado, que não era real e futuro muito menos teria, apagando as luzes como quem cerra lentamente os olhos fingindo adormecer. Era hora de virar para o lado e pelo canto do olho ver que partia sem dores e não entender o que achava ser.
Era um mundo que tinha criado e uma história em frangalhos no labirinto da sua imaginação. Uma conversa relapsa, um abraço frouxo, uma reação comedida quando nem mesmo saber dizer se era um querer.
E as rosas vermelhas acizentaram toda a pele em que tocaram para que depois fossem esquecidas num canto.
E o sorriso inventado fingiu lá ficar por muito tempo depois, e tocou o ar quente da noite sem movimento.
E a memória era falha, o caminho de escadas, o chão se fez turvo e o teto desabou no ambiente de vidro.
Aquilo tudo mexeu como um vendaval destrói um delicado penteado e as pedras nada preciosas desprenderam-se do cabelo e quebraram no chão.
Era a hora marcada, o momento esperado, o instante que era para ser o que não foi. E o futuro mudou, o som abaixou, a festa acabou e retorno não sei se há.


segunda-feira, 28 de setembro de 2009

The Good, The Bad and The Ugly

Uma sensacional versão de The Good, The Bad And The Ugly, tema do filme spaghetti-western homônimo (Il buono, il brutto, il cattivo) de Sergio Leone, composto pelo mestre Ennio Morricone, pela Ukulele Orchestra of Great Britain em seu show Anarchy in the Ukulele. Lindo, lindo, lindo!


I Gotta Feeling...

LipDub realizado durante a semana de abertura da Universidade de Quebec em Monstréal (UQAM) com a participação de 172 alunos de comunicação, no último 10 de setembro. A trilha é o hit do verão "I Gotta Feeling" de David Guetta e Black Eyed Peas.



Lucy in the sky with diamonds...



Uma semana depois, a Fundação Saint Thomas divulgou o óbito de Lucy Lucy O'Donnell, coleguinha para qual Julian Lennon fez um desenho com o título Lucy in the Sky with Diamonds, que inspirou o pai John Lennon a compor a célebre canção dos Beatles (negando a teoria de que as iniciais de Lucy in the Sky with Diamonds fosse uma apologia ao LSD). Lucy faleceu aos 46 anos, em consequência de lúpus.



segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Glossário Papa-Chibé

Vasculhando velhos arquivos, (re)descobri um "glosário papa-chibé" que fiz para um trabalho de folclore, com a ajuda do Dicionário Papa-Chibé, do jornalista Raymundo Mário Sobral, de vários e-mails que circulam pelas caixas de entrada dos paraenses (principalmente daqueles que, como eu, não moram mais no Pará e adoram relembrar a terrinha), e de amigos e familiares que dispuseram-se (e divertiram-se) a me ajudar a lembrar de várias expressões. "Toma-lhe-te":


“Açu”, “porrudo”: grande
“Aplicar”: pode significar que alguém está te contando uma mentira (“égua, aplica!”) ou então que alguém está dando em cima de outra pessoa (“Fulano já está aplicando na Ciclana. Ele é um aplicador.”)
“Aporrinhar”: encher a paciência.
“Arredar”: afastar.
“As partes”: órgãos sexuais.
“Assanhado”: “bagunçado”, geralmente usado para o cabelo.


“Bacaaaaana, né?: ironia com algo desagradável.
“Bagaça”, “onda”, “cagada”: festa, farra.
“Balão”: volta no quarteirão.
“Barco ‘pô pô pô’”: embarcação típica dos rios amazônicos, coberta e com motor de 2 tempos na popa.
“Benjamim”: T elétrico (que coloca na tomada).
“Boiado”: cheio de dinheiro.
“Boiar”: não entender o que está sendo falado.
“Borimbora”: vamos embora.
“Boró”: dinheiro trocado, geralmente moeda.
“Bréa”: calor.
“Broca”: fome ou refeição.
“Bustela”: meleca.


“Caba”: vespa.
“Cabaço”: hímem. Usado para indicar pessoas que nunca tiveram relações sexuais, tanto homem quanto mulher.
“Caboco”: adaptação de “caboclo” (mestiço de índio e branco), usada para denominar os nativos da região amazônica, mas também usado pejorativamente da mesma forma que “caipira” é usada no sudeste, como sinônimo de pessoa matuta, cafona, de mal gosto ou que quer aparecer. “Caboco” também é usado como sinônimo de “espírito”, assim como “santo” no terreiro de macumba.
“Caboquice”: matutice, cafonice, coisa ridícula.
“Cagoetar”: entregar alguém, servir de dedo-duro.
“Calango”: lagarto verde, pequeno.
“Canoa”, “encoleirado”: alguém que só sai com a(o) namorada(o).
“Carambola”, “carambela”: cambalhota.
“Carapanã”: mosquito, pernilongo
“Caratá”: pó de sujeira atrás da orelha e nas dobras do corpo.
“Catiroba”: oscila entre “ploc” e “pipira”.
“Cemitério”: jogo de queimada.
“Charlar”: exibir-se, o famoso “ver e ser visto”.
“Chope”: “geladinho”, saquinho plástico com suco congelado.
“Coque”: soco no cocuruto de alguém.
“Corta-liga”, “empata”: uma pessoa estraga prazeres.
“Cruzeta”: cabide de pendurar roupas.
“Cuíra”: estar impaciente com algo.
“Curumim” e “cunhatã (ou cunhã)”: de origem indígena, menino e menina.


“Dar a forra”: retribuir um favor ou gentileza.
“Despintado(a)”: excluído do grupo.
“Despintar”, “toco”: dar um fora.
“Despombático”: outra variação de “pomba-lesa”.
“Di rocha”, “selado”: de verdade.
“Diz que...”: expressão irônica. “Diz que ele conseguiu uma promoção. Vamos ver se é verdade.”
“Duca”: muito bom.


“Ê doido, não me neure”: dispensa explicações.
“Eaimmmmmmm”(anasalado): “oi, tudo bem contigo?”
“É-GU-A”: uma “superlativização” do “égua”, se é que isto é possível.
“Égua”: vírgula do paraense, usada entre mil de mil frases ditas e com significado que varia entre o susto, a irritação, a surpresa, a caçoada e outras milhões de possibilidades.
“Endossar”: aceitar, participar, ir junto.
“Pois é”: expressão paraense correspondente ao "então" paulista que é usada para começar uma frase.
“Enxerido(a)”: “intromedido”.
“Esbandalhar”, “escangalhar”: quebrar algum objeto (às vezes é usada de forma irônica para lesões em pessoas).
“Esmigalhar”: amassar, quebrar, tornar farelo.
“Essezinho”, “essazinha”, “esse um”, “essa uma”, “aquele um”, “aquela uma”: pronomes indicativos tipicamente paraenses.
“Estabacar”, “abostar”: cair no chão.
“Eu choro!” e “e eu kiko?!”: significa "não ligo a mínima, não tenho nada a ver com isso”.


“Farofeiro”: pessoas que levam comida para a praia.
“Fazer psica”, “secar”: desejar que algo dê errado.
“Ficar no vácuo”: ficar sem resposta.
“Filho duma égua”: “safado”, “filho da mãe”.
“Firme”: muito bom.
“Foguete”: soco.
“Fura-olho”: tomar a(o) namorada(o) do(a) amigo(a).


“Gia”: rã.
“Gito(a)”, “mirim”: pequeno(a).


“Igarapé”: córrego de rio.
“Ir pra merda”: fazer farra.


“Já me vu”: “já vou”.
“Já vale?”: expressão irônica, algo como “já vale mentir?” ou “já vale fazer tal coisa?”
“Jerimum”: abóbora.
“Jogar no pisão”: jogar aleatoriamente.


“Leso(a)”: “louco”, “que não bate bem”, “com parafusos a menos”, “bocó”, de uma forma bem particular, que talvez só quem é paraense compreenda o real significado. Gera várias outras variações e expressões como “té lese?” (tu és leso, é?).
“Levar o farelo”, “dever”: Se dar mal.
“Liga torta”: vontade estranha extraordinária.
“Liga”: nóia, vontade.
“Liso”: sem dinheiro.


“Macaca”: amarelinha.
“Malaco”, “pivete”: mal-encarado, marginal.
“Malinar”: implicar, fazer maldade.
“Mano(a)”, “maninho(a)”: forma de tratamento cordial.
“Mas assim...”: expressa discordância de algo, tipo “desse jeito não dá”.
“Mas credo”: “não faz isso”.
“Mas olha já” e “Hmmm.... Tá, cherôso!”: expressão usada para acusar uma mentira.
“Mas quando...”, “aooooonde?”: Pode ser ou uma negação verdadeira ou irônica.
“Mas quando...”, “mas ara quando...”: “Quem me dera poder tal coisa...”
“Migué”, “penoso”: “pão duro”, “pidão” ou “mentira”.
“Moleque”, “moleca”, “doido” e “doida”: tratamento extremamente comum entre amigos.
“Morrinha”, “momó”: preguiça.
“Morte”: o final de algo, no sentido “me dá a morte do teu suco?” (me dá o resto do teu suco?)
“Mufino”: sem vigor, apático.


“Osga”: lagartixa branca, de parede


“Pai d’Égua”: a mais típica expressão de elogio do paraense; significa “muito bom”, “excelente”.
“Palha”, “palhoça”, “peba”, “dispré”: algo ruim.
“Pão ‘careca’”: pão francês.
“Papagaio”: pipa.
“Papudinho”, “espuma”: pinguço, beberrão.
“Parada”: ponto de ônibus ou “coisa” (que parada é essa?)
“Paranóia!”: “que droga”, “nada a ver”.
“Pavulagem”: papo furado, frescura.
“Peso”: para enfatizar qualquer coisa. “Fomos pra lá peso”, “Foi muito bom peso”.
“Peteca”: bolinha de gude.
“Pipira”: pode designar uma mulher safada, mas serve como classificação de mulheres de feições caboclas, mal-vestidas e de gosto duvidoso.
“Pira”, “pereba”, “curuba”: ferimento.
“Pira”: “pique”, brincadeira infantil.
“Pirento”, “perebento”, “curubento”: portador de feridas, pessoa de pouca higiene pessoal.
“Pisa”, “coça”: surra.
“Pitiú”: fedor, geralmente usado para o cheiro de peixe.
“Pixé”: fedor, geralmente usado para o cheiro dos órgãos sexuais.
“Ploc”, “piva”: prostituta, mulher safada.
“Podre”: segredo ruim de alguém, defeito.
“Pomba-lesa”: “muito leso”.
“Porreta”: “Pai d’Égua!”
“Potoca”: mentira.


“Quebranto”: mau olhado.
“Quebrar”, “pegar”: “ficar”: beijar na boca. Junto com outros verbetes deste glossário forma uma das frases mais engraçadas do “dialeto” papa-chibé para pessoas de fora: “O doido foi lá, aplicou, aplicou na doida, acabaram se quebrando mas, no fim, ela despintou ele”. (O rapaz foi lá, deu em cima da moça, acabaram se beijando mas, no fim, ela deu o fora nele).
“Queimar a largada”: ficar bêbado antes de sair para a balada.
“Queimar”, “derrubar”: também significa dedurar alguém, mas sempre num sentido de falar mal, contar os “podres”.
“Queimosa”: picante. Usado para classificar o molho de pimenta.


“Ralhar”: brigar, chamar a atenção de alguém.
“Rasgar”, “vazar”, “varar”, “dar o abra”: ir embora (acompanhado de gesto no qual de agita os dedos da mão horizontalmente.


“Safo”: muito bom em algo, inteligente.
“Só te digo vai”, “Olha que o pau te acha”: expressões usadas para alertar alguém de que determinada coisa não vai dar certo.
“Su’mano(a)”: “Seu(ua) mano(a).


“Tá safo”, “selado” “selou”: “tá combinado”.
“Te coça”: paga a tua parte, passa a grana.
“Tio(a)”: forma de tratamento para pais de amigos, amigos de pais e pessoas mais velhas queridas.
“Toró”: temporal.
“Trapiche”: construção, na maioria das vezes, de madeira que adentra os limites do rio ou do mar, utilizada para embarque e desembarque de passageiros ou mercadorias bem como o pescado. conhecida popularmente em outros estados como: Porto; dique; ponte.
“Travessa”: tiara de cabelo.
“Treme Terra”: aparelhagem de techno-brega, é usado também para indicar sons muito altos.


“Umbura!”: Te apressa!
“Uuuuuuuulha”: “olha”.


“Varejeira”: mulher safada.
“Visagem”: fantasma, assombração.
“Voadeira”: lancha pequena.


“Xiri”, “charque”: órgão sexual feminino.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Celebration

Saiu a segunda versão do clipe de Celebration, da Madonna, que traz performances de fãs reais, gravadas em Barcelona e Milão durante The Sticky And Sweet Tour 2009, e Lourdes Maria com o velho figurino Like a Virgin de sua mamis.


Herbert Richers


Se você também cresceu assistindo desenhos, filmes e séries que vinham com aquela famosa vinheta "versão brasileira Herbert Richers" mas nunca soube quem, afinal de contas, é Herbert Richards, aqui está sua foto. Este simpático senhor, de aspecto venerando, nascido em Araraquara em 11 de marco de 1924, foi quem introduziu a dublagem no Brasil, em 1960, através da Herbert Richers S.A, com ajuda e influência de seu amigo pessoal Walt Disney. Hoje, a empresa, sediada no Rio de Janeiro, é responsável por cerca de 70% das dublagens exibidas nos cinemas brasileiros. Mesmo com idade bastante avançada, ele ainda se dedica ao trabalho. :)

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

09/09/09

Para alguns, é apenas uma coincidência. Outros, no entanto, encontram na data de hoje, 09/09/09, símbolos de sorte e prosperidade. A combinação numérica provocou uma onda de casamamentos hoje. Na China, onde o número "9" simboliza a sorte e é historicamente ligado ao Imperador, cerca de 10 mil casais casarão somente nos cartórios de Pequim. Segundo o China Daily, outros milhares de casais dirão o "sim" por todo o país, deixando a espectativa se o número de casamentos ultrapassará o do dia 08/08/2008 - quando 20,6 mil casais se uniram formalmente na China, na data que também marcou o início dos Jogos Olímpicos de Pequim. Las Vegas, nos Estados Unidos, também está preparada para uma grande demanda de casamentos. Na Flórida, um cartório oferece cerimônias a US$99,99.
No Japão, em contrapartida, o número significa "agonia" ou "tortura", e é comum encontrar hospitais que não têm andares e quartos que tenham os números "9" e "4" (que significa "morte").

No entanto, para nós, nerds e beatlemaníacos, hoje, 09/09/09, nada mais é do que o tão esperado lançamento do The Beatles: Rockband, pela Applecorps, Harmonix e MTV Games. :)





Nadando na cerveja


Por 135 euros, o Starkenber Beer Myth Resort realiza o sonho de consumo de muita gente por aí: nadar numa piscina de cerveja. O spa, localizado nas proximidades do castelo medieval de Stakenberger, no estado de Tirol, na Áustria, garante que o banho não é coisa de pinguço e que a cerveja pode curar várias doenças de pele.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Praia Indoor


Quem não tem cão, caça com gato. E quem não mora na praia, pode relaxar dentro de casa, no Water Lounge, fingindo que está em uma. Não é a mesma coisa, claro, mas que quebra um galho...

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Spasskaya Bashnya


Desde o último dia 5 até o próximo dia 10 de setembro, acontece na Krasnaya ploshchad (Praça Vermelha) em Moscou, na Rússia, o Spasskaya Bashnya, I Festival Internacional de Música Militar, que reune bandas de vários países, dentre eles o Reino Unido, Índia e China. Na foto, a apresentação da Escola de Artes Marciais do Monastério Shaolin.

sábado, 5 de setembro de 2009

5 coisas que os paraenses fazem fora do Pará

"Meus caros amigos desocupados leitores, para lhes trazer esse texto foram meses de pesquisa, noites insones no Aeroporto Internacional de Belém, horas dentro de arquivos empoeirados, tardes na esquina da Gaspar Viana com a Frutuoso Guimarães comendo completo com suco de abacate. É um trabalho realizado com todo o esmero para delinear as práticas paraenses mais comuns Brasil afora, espero que vocês curtam e identifiquem o paraense dentro de vocês (no sentido não literal da palavra).
5º Dançar carimbo
O carimbó é uma instituição cultural paraense interessante, poucas pessoas têm coragem de dizer que não gostam, a maioria diz que acha bacana, mas não aguenta ouvir duas músicas.
Contudo, quando está longe do seu estado, o paraense quer mostrar-se íntimo de sua cultura, dizer que conhece, sabe todas as íntimidades das práticas populares da região que lhe pariu. Aí começa o festival de bizarrices.
Dentre as atitudes bizarras dos paraenses fora do seu estado, a mais lastimável de todas e tentar mostrar-se conhecedor da sua cultura e tentar dançar carimbó. A cena é a pior possível, na ponta da língua um carimbó mainstream (tipo "Olêlê Olálá misturei carimbó, siriá". Claro que interpretadas como "Olêlê Olálá isculê, carimbó siriá") pessoas tentando dançar com a malemolência cabocla, mas parecem misturar a coregorafia do Thriller com a dança do robô. O mais bizarro de tudo é a cara das pessoas vendo aquilo, devem pensar o que do carimbó? Já não bastava ser desprezado por parte dos paraenses, agora os de fora também abominarão? Pra piorar, os nossos conterrâneos ainda tentam ensinar os outros a dançarem.
Mas depois de duas dúzias de solos de palmas, e de três refrôes, o carimbó volta, aliviado, para o seu limbo.
4º Se empacotar todo
OK. O Pará é um lugar quente, está situada no cu centro da linha do Equador, as temperaturas ultrapassam os 30º em boa parte do ano, mas não é por isso que devemos vestir todas as roupas de uma vez só quando vamos para um lugar frio.
Na minha marota opinião, o povo paraense tem um complexo, o desenvolvimento do estado não ocorre de forma acelerada somente por motivos econômicos ou tacanhismo político, mas também por um motivo até agora nunca levado em consideração.
O povo paraense não usa jaqueta (tá, pode me xingar, esculhambar meus antepassados, o Grisalho da Doca e o Bigode da Doca, mas existem algum sentido), isso faz dos parajoaras um povo de auto estima reduzida. Duvido que, se pudessemos usar jaqueta com mais frequência sem corrermos o risco de sermos ridicularizados, o Pará diminuiria consideravelmente a quantidade de conflitos no campo. O povo paraense de jaqueta se sente imortal!
Essa necessidade de se empacotar para se sentir civilizado algo inerente à nossa região, já que os índios (sujeitos com poucas vestimentas) são um modelo de comportamento que a maioria da população abomina, enquanto que os europeus (sempre adeptos de muitos panos) serviram de modelo de comportamento. A Belle Èpoque que o diga, com pessoas andado como franceses nas ruas da cidade em plena tarde amazônica (porque você acha que foram plantadas mangueiras em Belém?)
Outras evidências fortíssimas são os raros momentos quando a temperatura da região cai. Se beira os 20º é um Deus nos acuda de jaquetas, agasalhos e outros apetrechos que fazem os meus conterrâneos se sentirem mais próximos do pólo norte e dos filmes de Hollywood.
Ora, seguindo essa linha de raciocínio, se uma jaqueta eleva minha auto estima quanto paraense, imagine duas; três; três e um gorro; três, um gorro e luvas! Era tudo que o nosso povo queria. Contudo, para que isso aconteça são necessárias temperaturas atípicas da região, por isso, quando se dirigem para regiões mais frias os paraenses aproveitam para vestirem de uma vez todos os seus agasalhos e se sentirem um povo mais civilizado e entupirem o orlkut de fotos.
3º Falar bem do Pará
No último mês um amigo colocou umpost no seu blog falando dos monumentos mais feios da cidade, foi um texto corajoso, atraiu a ira de diversos coleguinhas conterrâneos, irritados ao verem sua cidade criticada daquela maneira.
O post fez tanto sucesso porque foi colocado na comunidade de Belém no Orkut e, nessa mesma comunidade era possível apalpar a cólera das pessoas diante da opinão do pobre pedreirense. Interessado em ver quem eram aqueles novos Filipes Patronis, tão devotados em defender sua terra de facínoras defenestradores da beleza da capital, visitei o perfil de alguns.
A grande novidade é que, dos indignados, a maioria nem morava aqui, grande parte estava radicada em outras paragens, comprovando que a distância do Pará afeta o senso crítico dos meus conterrâneos, eles passam a achar tudo lindo e maravilhoso, até a Nave da Xuxa o chapéu do Barata!
Portanto, se encontrar algum paraense Brasil afora cuidado! Falar mal do Pará pode render sérias confusões. Ele pode lhe dar uma jaquetada, afinal ele está usando umas cinco mesmo.
2º Fazer cosplay de vendedor de picolé (Usar isopor como bagagem)

Quer encontrar um paraense em um aeroporto qualquer do Brasil? Procure um isopor. Garanto que se não for um vendendor de picolé ou outro gênero alimentício gelado, é um paraense.
É impressionante como os paraenses perambulam Brasil afora com um isopor à tiracolo, é item indispensável de viagem, acredito inclusive que o Estado do Pará deva ser o maior consumidor brasileiro de caixas térmicas de isopor.
É como um item de identificação regional, algo como o chimarrão para os gaúchos, os tiroteios para os cariocas, os engarrafamentos para os paulistas e a rapadura para os cearenses. Paraense que é paraense anda com isopor nos aeroportos. É capaz inclusive de duvidarem de suas origens se lhe encontrarem em um aeroporto sem isopor.
-"Você é de Belém?!"
-"Sim!"
-"Nasceu lá?"
-"Claro!"
-"Mentira, cadê seu isopor?!"
Dentro vão gêneros alimentícios típicos da região, como o açaí, a maniçoba, o tacacá, tudo previamente congelado para que o paraense possa usar suas quarenta jaquetas, falar bem do seu estado, comendo aquela maniçoba feita dois meses atrás.
1º Desprezar paraenses
Realmente fiquei em dúvida sobre o primeiro item desse post, mas entrando em contato com orgãos especializados como a COHAB, o DIEESE e FAJUTA (Faculdade Jurunense de Tecnologia Avançada), resolvi mandá-los às favas e fazer o que eu achava mais coerente.
Conversando com um amigo, concluí que a coisa mais significativa que os paraenses fazem fora do Pará é desprezarem seus conterrâneos, mas calma! Não questione a minha masculinidade. Vou explicar.
Quem já viajou para fora do estado em grupos, viu que os paraenses quando estão em outro estado se agarram com todo mundo, menos com outro(a)s paraenses.
É uma situação recorrente, principalmente com as meninas, que preferem mil vezes um carioca com um charme de ator pornô mal educado, um paulista boçal ou um sulista fedorento a um paraense. Com os rapazes acontece o mesmo, mas em menor escala, devido ao grau de promiscuidade inerente ao sexo masculino.
A paraense, depois que se agarra com alguém de outro estado, prontamente gera um rei na barriga. Não quer saber mais de pessoas do seu estado. "Pra quê regredir migâh! Eu peguei um gatinho carioca!".
Quando retornam ao Pará a humildade demora, mas volta. Os rapazes paraenses entendem os gestos de boçalidade das moiçolas do estado. Afinal pegariam também uma carioca ou uma paulistinha, se elas quisessem....
Se você discorda, concorda, me ama e tem vergonha de se declarar, se tem pesadelos terríveis com o canguru da Radiolux, comente. Será um prazer rir de você."

Postagem original: Lorotas da Doca

Bad things

Abertura da sensacional série True Blood. (Música: Jace Everett - Bad Things)


sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Ode à verdade


Na China, quem fizer playback, a partir de outubro deste ano, pagará multa de 3.000 iuanes (equivalente a US$ 439). Depois da descoberta da dublagem da menininha em "Ode à Pátria" (a real cantora foi considerada "esteticamente inadequada" para aparecer) na abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim, ano passado, o Ministério da Cultura chinês quer evitar outro vexame do tipo. Segundo o vice-ministro de Cultura chinês, Tuo Zuhai, fazer playback "é uma grosseira violação das leis e regras" e não só danifica os direitos dos consumidores, mas também os dos cantores e músicos.

Fonte: Estadão

5ª is back!

O Quinta Emenda voltou, comandado por Marise, Lívia e Lucas. O saudoso Juca deve estar, lá de cima, gostando e muito! :)

Tweet Opera

Quer ser um libretista? Então siga o @youropera e deixe sua participação na primera ópera escrita através do Twitter. Alguns trechos (entre eles, frases como "Quando o porco voar, esse pássaros vão chorar, e para sempre deixarão a tortura para o demônio. Traga-me um porco!") serão interpretados neste sábado e domingo por dois cantores na Royal Opera House, usando melodias "emprestadas" de óperas famosas e canções originais compostas por Helen Porter. Segundo Sara Parsons, porta-voz da Royal Opera House, cerca de 900 pessoas usaram o site para enviar mensagens de até 140 caracteres, e o volume gerou conteúdo suficiente para uma ópera de sete atos. Veja o teaser:



Fonte: Info Plantão

Royal Falcon Fleet






Para os amantes do mar, o Royal Falcon Fleet RFF135, com design da Porsche, é a 8ª maravilha do mundo. Tem 472 m² de área útil, 41 m de comprimento, 12,5 m de altura, 208 m no deck superior ecapacidade para hospedar 20 pessoas, além de dois motores turbodiesel com 4.600 cavalos. É claro que, para ter este brinquedinho, como o próprio site do Royal Falcol Fleet diz, "Oh! What a life you command… You must be a billionaire! "
:P

Click certeiro


Esta e mais 47 outras fotos tiradas no momento certo, no muitolegal Blog. :)

Mac Darth

Via Gizmodo

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Agosto


Prendeu a respiração e contou até dez. Aquilo o que não sabia era tudo o que acreditava, e nada poderia fazer. O frio do quarto congelou seus movimentos e cada veia latejante machucava seu braço numa espécie de penalidade por seu travamento. Tentou andar. Não pôde. Com muito esforço, sentou na cama e contemplou a parede, aquela mesma parede marcada do ano que cheguara alí, com idéias, sem noções.

E lá projetou os momentos fotografados pela memória, na bizarra falta de propósito que o tempo dá às coisas. Sentiu conforto, sentiu saudade, sentiu como se tudo aquilo não fizesse mais parte do mundo real, e sua vida transformou-se numa invencionice profunda. Até que viu a última foto.

Pela janela vieram os gritos da cidade e sem cueldade a acodaram do transe em que estava. E foi então que conseguiu aceitar, e chorou longamente por isso. Mas as lágrimas secaram e o horizonte ficou estranho, e seus braços foram se soltando para apoiar o pescoço relaxado. O futuro havia mudado mais uma vez.

Esperou por horas ser corrigida, desejou firmemente estar enganada. Suplicou ao céu as dádivas da lentidão e ignorância. Mas foi em vão, as placas da rua estavam muito longe para serem lidas.

Quando o telefone tocou, quando o messenger apitou, era tarde demais. Já estava longe, com sua roupa de domingo, conversando alto e dando gargalhadas.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Flores de Agosto


Havia, uma vez, um campo sem fim, com um céu também sem fim e borboletas que voavam até onde se podia ver. Havia um jardim de flores, mas agosto logo chegou e elas então murcharam.

Havia, por um tempo, uma luz de idéias, sonhos exagerados, sentimentos furtados e uma pitada de inocência. Havia, nesse tempo, coisa alguma que não pudesse atingir, sorriso algum que não pudesse surgir, uma infinidade de beijos sem razão de negar.

Havia, certo tempo, uma montanha de medalhas e uma cova de mortalhas, e nada do que fosse contidamente bom ou exageradamente infeliz era capaz de transpor esses obstáculos, mas o céu ficou frio... E toda a razão mudou seu ser.

E, no seu tempo, houve um redemoinho, e o campo tremeu, e as flores choraram. E a chuva de seus prantos salgaram o lago, e o som de seus soluços espantaram as borboletas.

Hoje as flores de agosto se foram e enfeitam coroas e túmulos dos que partiram para outros jardins. Um dia, porém, o vento há de fazer uma semente voltar e o campo de novo se enfeitará até o horizonte que não se pode ver.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Amor Animal


A girafa Bea e a avestruz Wilma, que vivem no Busch Gardens, na Flórida, são inseparáveis e sua amizade é atração do zoológico.

Foto: Matt Marriott/AP
Fonte: Globo.com

LCD Humano

Nada de cheerleaders: estudantes sul-coreanos criaram um novo tipo de torcida para seus times de futebol: o LCD humano. É impressionante! Vejam o vídeo!

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Neuro Miracle


Quem invejava a pequena Lucy, das Crônicas de Nárnia, com sua garrafinha de poção milagrosa, já pode ficar feliz. A Neuro desenvolveu uma linha de bebidas que prometem quase tudo: uma boa noite de sono, emagrecer, diminuir o stress e ansiedade, e até conseguir orgasmos. Segundo a empresa, as bebidas foram criadas por cientistas e experts em nutrição e funcionam mesmo. Então tá.

domingo, 16 de agosto de 2009

Woodstock


Nick e Bobbi Ercoline, capa do LP do festival, 40 anos depois.

Depois de um tempo

Tudo fica simples depois de um tempo. Os volumes diminuem e nenhum barulho incomoda. As cores desbotam e os contrastes não ofuscam. Os cheiros se perdem e tudo fica indiferente.

Tudo fica claro depois de um tempo. A tempestade vira garoa. O furacão vira brisa. A lua minguante volta a crescer.

Tudo fica certo depois de um tempo. Os rios voltam aos seus cursos. O relógio volta a marcar as horas no tempo em que elas devem ser. Os dias são azuis e quentes, as noites escuras e silenciosas.

Tudo fica bonito depois de um tempo. As comidas mostram sabores nunca dantes desfrutados. O ar é limpo, puro, respirável. As palavras riem da incerteza de usá-las.

Tudo fica estranho depois de um tempo. A vontade não decide mais seus fardos. A energia se vai como se nunca tivesse vindo. O choro seca, mas o vazio fica.

Depois de um tempo o choro vira riso e confundem-se entre lamentos e comemorações, partidas e vitórias.

E depois de um tempo tudo fica do jeito que tem que ser, esperando por um novo tempo de simplicidade, clareza, certeza, beleza, estranheza, mais uma vez sem saber o porquê.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Do Guia Dos Curiosos:

"Comemora-se o Dia da Televisão hoje, mesmo Dia de Santa Clara, porque ela é a padroeira da televisão. Clara se apresentou a uma pequena igreja e foi recebida por São Francisco. Depois, foi levada para um mosteiro beneditino e, mais tarde, para o mosteiro de São Damião. São Francisco morreu em 1226 e Clara levou o seu corpo para a clausura para que outras religiosas pudessem vê-lo. Ela viu projetadas numa parede as imagens do corpo dele e das honras a ele prestadas na cidade de Santa Maria dos Anjos. Ela é considerada a protetora da televisão por causa do privilégio de ter tido tais visões."

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Alarme Imperial


Você vai pensar muuuuuuuuuuuuuito bem antes de enrolar "mais cinco minutinhos" na cama com este rádio-relógio que tem como alarme sons nada amigáveis e tolerantes de Darth Vader. Como avisa o Sakar, assuma todo o risco em ativar o soneca. :O

Rádio Camaleão


Se você não abre mão de música até de baixo d'água, o Chameleon Shower Radio é a companhia ideal para os seus duetos no chuveiro: além de ser a prova d'água, ele muda de cor de acordo com o ritmo da música! Só não vale escutar Karma Chameleon. :P

Calor!


No verão alemão, nada como um banho gelado para os pinguins do zoo de Frankfurt am Main.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

5 de agosto

Em 1829, Guilherme Tell, de Rossini, estreava na Ópera de Paris;
Em 1915, durante a Primeira Guerra Mundial, a Alemanha tomava Varsóvia;
Em 1966, os Beatles lançavam o álbum Revolver;
Em 1967, o Pink Floyd lançava o álbum The Piper at the Gates of Down.

Faltam 148 dias para acabar o ano.

Family Fat Boy

Harley-Davidson tamanho família? Sim, se o sidecar não for suficiente, Steve 'Doc' Hopkins tem a solução. O norte-americano criou uma moto de 7,3 metros de comprimento, com sete motores e capacidade para 10 pessoas, e pretende usar a "motoca" no Sturgis, rally de motos que acontece na Dakota do Sul, Estados Unidos.


Fonte: globo.com

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Bang, bang!


Depois do dadinho, mexicana e poder do dedo, esse jogo é a ultra tecnologia dos drinking games! O Shot Shootout vem com dois levels. Na primeira, você tem nove tentativas para atirar no bartender: a cada erro, um shot no seu copo. Na segunda, você também tem nove tentativas, mas o shot só cai quando você acerta.
E aí, qual vai ser, cowboy?

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Páginas de Uma História



O bachiano João Carlos Martins lançou o álbum duplo Páginas de Uma História, uma retrospectica de sua carreira pianística e de regente que vai desde leituras que fez aos 10 anos de Sonhos de Amor e Dança dos Anões, de Franz Liszt (gravadas por seu pai, José, em um gravador de fio de aço, sistema que precedeu os gravadores de fita), até como regente da Orquestra Bachiana, em Adiós, Nonino, de Astor Piazzolla, com arranjo do maestro Mateus Araújo.

Maquete de cabelo


O Palácio de Tiananmen, que fica em Pequim, ganhou uma réplica feita com 11 kg cabelo pelo chinês Huang Xin. O cabeleireiro já usou sua técnica para reproduzir outros prédios, como o Ninho do Pássado (Estádio Olímpico) e o Cubo d'Água (Centro Nacional de Esportes Aquáticos)

Foto: David Gray/Reuters.
Fonte: Globo.com

domingo, 2 de agosto de 2009

Descobertas duas peças inéditas de Mozart


O primeiro movimento de um concerto e um prelúdio, obras póstumas de Wolfgang Amadeus Mozart (e que provavelmente foram escritas antes do compositor completar 10 anos), foram executadas hoje pela primeira vez, no piano do próprio Mozart, na casa onde morou entre 1773 e 1780, onde hoje funciona um museu em sua cidade natal, Salzburg, na Áustria. As obras pertenciam ao arquivo da Fundação Mozarteum Internacional desde 1864, mas só no último mês de julho é que foi reconhecida a autoria de Mozart.
Interessados nas partituras podem fazer o download aqui.


sábado, 1 de agosto de 2009

50 razões para amar São Paulo em 2009


Quem mora sabe das dores, mas muito mais das delícias de morar na Paulicéia Desvairada. Confira nesta reportagem da Época 50 ótimas razões para amar Sampa! :)

PS: Apesar de ilustrar o post abaixo, tem ícone maior do que a Av. Paulista?

Alergia Hi-Tech


Apesar de ainda não existir uma definição clara sobre a Hipersensibilidade Eletromagnética (ou Electromagnetic Hypersensitivity - EHS), o transtorno é real e seus sintomas (dor de cabeça, fadiga, estresse, distúrbios do sono, sintomas na pele como pontadas, sensações de ardor e erupções cutâneas, dor nos músculos e muitos outros problemas de saúde) crescem proporcionalmente com os campos eletromagnéticos e a implantação de dispositivos wireless. Segundo documento publicado pela OMS em 2007, o EHS pode ser incapacitante para aquele que for afetado, como é o caso do DJ britânico Steve Miller ou "Afterlife", que diz que foi praticamente obrigado a parar de trabalhar e se isolar em sua residência, revestida por grossas paredes de granito, na Cornualha, extremo sudoeste da Inglaterra, por causa do aumento das redes wireless. O DJ só sai de casa com um detector de ondas Wi-Fi em mãos para evitar áreas que causem problemas à sua saúde. Outras fontem emissoras de CEM, como telefones celulares, computadores, dispositivos elétricos e cabos de força, também podem ser prejudiciais.
Apesar de os sintomas serem reais, os médicos são céticos sobre esta hipersensibilidade e não existem evidências científicas sobre qualquer dano permanente ao corpo causado por estas ondas.